BALNEáRIO CAMBORIú (47) 3056-0056
Ligamos para Você
Nossa politica de privacidade e cookies Nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência na navegação.
Você pode alterar suas configurações de cookies através do seu navegador.
Praia Imóveis
Praia Imóveis
Telefones para Contato

Busca de Imóveis

Selecione os critérios de busca nos campos abaixo e encontre seu imóvel dos sonhos

Busca de Artigos

A quantidade ideal de fundos imobiliários em um portfólio, segundo gestor

A quantidade ideal de fundos imobiliários em um portfólio, segundo gestor
Publicado em 12/Abr/2019
Sem Categoria

SÃO PAULO - Com a queda das taxas de juros, o investidor brasileiro que antes conseguia bons retornos na renda fixa passou a procurar alternativas mais rentáveis em outros ativos. E um deles são os fundos imobiliários. Mas qual a parcela ideal de FIIs no portfólio e como descobrir quando o investimento está caro ou barato?

Para responder às questões, o professor do InfoMoney e especialista em FIIs, Arthur Vieira de Moraes, trouxe ao programa “Fundos Imobiliários” Eduardo Levy, da Monte Bravo Investimentos.

Segundo Levy, um passo importante antes do investidor migrar para a bolsa ou aplicar em fundos multimercados mais voláteis é começar pelos fundos imobiliários. “O FII combina renda variável com investimento em imóveis, ou seja, um ativo real com renda fixa, e isso acaba sendo exatamente o perfil que o investidor brasileiro precisa hoje”, afirma o gestor.

Com relação à alocação, o gestor sugere uma parcela de 15% da carteira em FIIs. Ele explica que algumas carteiras mais agressivas contam inclusive com um percentual de 25 a 30% do portfólio alocado no ativo.

Levy lembra, porém, que o componente de renda variável dos FIIs não pode ser esquecido, uma vez que a cota é negociada em bolsa e, consequentemente, sofre oscilações diárias. Confira a entrevista completa no vídeo acima.